Uni, duni, tê, salamê, minguê...

Uni, duni, tê, salamê, minguê...
Materiais a partir de textos da tradição oral

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Dica de Leitura

O DARIZ

C'est gomme ça gue l'hisdoire a cobbencé!
Atchim... Guando você esdá gribado, o dariz fica dodo endupido. Barece que dinguém endende o que você fala. As balavras ficam esdranhas, algumas letras simblesmente desabarecem. Atchim...
Oi, gente! Não podia deixar de dar a dica desse livro. Não li ainda, mas conheço o livro em francês, editado em 2006. É mais indicado para os maiores, mas quem sabe não encanta e diverte também os menores? Ao menos, da ideia de brincar com as palavras, podemos aproveitar bastante. Já fico cheia de ideias.
O livro é O Dariz, Le Nez, em francês, do escritor e ilustrador francês Olivier Douzou, publicado no Brasil pela Cosac Naify, numa edição de capa dura, com tradução de Paulo Neves e ilustrações do próprio autor.
O autor se inspirou no conto satírico O Nariz, do escritor russo Nicolai Gógol, publicado numa revista em 1836. Pense! O conto tem como personagem principal o nariz de um oficial de São Petersburgo, que resolve abandonar o rosto do dono para ter vida própria. O Dariz, por sua vez, conta, em primeira pessoa e tendo como narrador um nariz entupido, a história de um nariz entupido em busca de um lenço grande para assoar.
Agora, se falar com o nariz entupido é engraçado, imagine escrever com o nariz entupido! Douzou entrou nesta brincadeira e criou o primeiro livro com nariz entupido do mundo, como diz no site da Cosac Naify: http://editora.cosacnaify.com.br.
Mas vamos saber mais dessa história, pelas palavras da própria Cosac: "O Dariz apresenta a história de um nariz de homem que acorda completamente entupido. Para resolver o problema, parte em busca de um lenço para assoar. Em sua procura, cruza pelo caminho como um monte de coisas igualmente entupidas.
O nariz encontra uma tromba de elefante, um nariz de palhaço, um focinho de porco, um bico de pato, um focinho de cachorro, um nariz de Pinóquio e um nariz de tamanduá. Juntos, todos partem em busca do lenço perdido. Pelo caminho encontram todo tipo de situação, uma mais absurda que a outra. Um botão, por exemplo, que acha que é um nariz, entra na procura. Até um vidro de pimenta-do-reino em pó aparece na história para provocar uma tempestade de espirros. E um mar de ranho também.
O Dariz é todo escrito do ponto de vista de um nariz entupido. O texto reproduz o som das palavras pronunciadas por um grupo maluco de darizes endubidos num divertido exercício de linguagem".
Já no blog http://contoscantoseencantos.blogspot.com/, que indica o livro, podemos ler: "a história é para ser lida em voz alta, fechando um pouco as narinas, para criar o clima humorístico previsto e adequado, pois o autor substitui /t/ por /d/; /k/ por /g/; /s/ por /z/; /m/por /b/; /p/ por /b/; /ch/ por /j/; /n/ por /d/. Mas na verdade, se lermos tal qual escrito, é quase natural anasalar um pouco a voz. Fica bem engraçado.
Experimente ler um trecho do livro:
Engontrei um bodão gue bensava zer um dariz e falou:
- Dambém esdou endupido.
Falei: - Se esdamos endupidos, zó há uma goisa a fazer: engontrar um lenço e assoar.
E foi assim gue a hisdória cobeçou."

Viram, que confunsão divertida? Impossível ler sem rir! E para compreender é preciso imaginar trocas de fonemas, o que demanda atenção às unidades fonêmicas, às trocas de fonemas nas palavras. Fantástica oportunidade de reflexão fonológica, totalmente imbricada na tentativa de compreensão dos enunciados e na farra de se divertir. Muito bacana!

Ah, se forem ler para as crianças, treinem bem antes, heim?

Se você agordar gribado, melhor ficar em gasa, embaixo das gobertas, bem quietinho. Atchim... O dariz pode não zentir cheiro de dada, mas dambém pode, de rebente, virar focinho de borco. Na dúvida, melhor ficar em gasa, embaixo das gobertas, lendo um libro. Atchim..."

Beijos, fui!

Lica

8 comentários:

  1. deve ser fantástico ler este livro para os alunos, as crianças concerteza irão ficar facinadas.

    valeu pela dica Lica.

    ResponderExcluir
  2. Oi, anônimo...cê não assinou, não sei quem é, mas obrigada pelo comentário.
    Lica

    ResponderExcluir
  3. Pró...
    Já pedi o meu livro rss.Como posso trabalhar com ele em sala de aula??
    Adoro suas dicas.
    Beijos
    Karina

    ResponderExcluir
  4. Oi, Karina,
    Espere o livro chegar, leia e tente imaginar coisas legais que poderia fazer com ele. Prefiro que você invente umas coisas primeiro, no espírito das propostas que tenho feito aqui. Assim vai treinando seu olhar para criar propostas. Mas posso dar uma dica: que tal explorar bastante essas sonoridades do entupimento do nariz? Dependendo do domínio de escrita e leitura do grupo, dá para propor várias coisas, muitos desafios, adaptados às possibilidades deles. Vá pensando, depois dou mais dicas.
    Beijocas,
    Lica

    ResponderExcluir
  5. Patrícia Spolidoro9 de novembro de 2010 05:42

    lica,achei a ideia de trabalhar com este livro,simplesmente maravilhosa!De forma divertida,dá para trabalhar as trocas de fonemas e ou grafemas cometidos nesta fase de alfabetização...Já comecei a tecer uma série de ações tendo este livro como possivel "detonador"de um projeto já para minha próxima turma de alfabetização.Sem falar que adaptarei algumas atividades que me ocorrem no trabalho com este livro p/meus alunos do 5° ano no ciep 477 em Arrozal.
    Parabéns pela "sacada" genial!
    Professora Patrícia Spolidoro

    ResponderExcluir
  6. Oi, Patrícia,
    Obrigada por seu comentário. Tenho achado cada vez mais bacana essa possibilidade de trocar ideias e palavrinhas com pessoas que não conhecemos, mas com as quais que compartilhamos algo. Sou meio antiga, sabe? É genial saber que posso dar ideias a alguém tão longe...
    Então...depois conte pra gente como foi a experiência.
    Um abraço,
    Lica

    ResponderExcluir
  7. Lica, maravilha seu blog. Izaias (zaivaleriano@gmail.com)

    ResponderExcluir
  8. Obrigada, Izaias!
    Visite sempre!
    Lica

    ResponderExcluir