Uni, duni, tê, salamê, minguê...

Uni, duni, tê, salamê, minguê...
Materiais a partir de textos da tradição oral

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Notícias...

Gente! Não desistam de mim, de visitar, de comentar... !!!!
Ando meio ocupada, mas em breve volto às postagens mais frequentes. Mas não pensem que estou parada. Não, ando matutando novidades...em breve falarei delas.
Por ora, indico abaixo o vídeo do Profa, contribuição ao blog de Lilian Evaristo, que me enviou como sugestão para ajudar na discussão sobre a importância do trabalho com letras móveis na alfabetização, em contextos de produção de sentido.
O modo de proceder que vemos no programa, de as professoras encaminharem as intervenções, as dinâmicas propostas, elucidam muito do trabalho com alguns dos materiais que confeccionamos nas oficinas.
Vemos no vídeo crianças no esforço de pensar, compartilhando possibilidades, buscando respostas junto, avançando em suas hipóteses. Quase vislumbramos fumacinhas saindo de suas cabeças ao tentarem dar conta dos desafios que o sistema de escrita oferece. Vale à pena dar uma espiadinha!
Para os que foram meus alunos, é a chance de rever, já que assistimos a alguns desses programas do Profa em sala, lembram? Para os que não conhecem, uma dica para pesquisarem mais no youtube.
Eis o filme:



Obrigada pela sugestão, Lilian,
Abraços a todos e até breve!
Lica

P.S. O trabalho ali é de escrita de títulos de histórias de assombração, lendas inclusive, que certamente ouviram, comentaram, se apropriaram... Lembrem-se de que o espírito é sempre esse, explorar os textos como textos, fruir deles e não torná-los apenas um contexto vago e um pretexto para a reflexão sobre o sistema, ok?
P.S.2: E por falar em assombração...Para histórias bem legais de morte (com sua foice e capa preta), diabo, gigante...e bichos também, sugiro os livros de Ernani Ssó, maravilhosos, da Companhia das Letrinhas, coleção narrativas do Folclore. Bem interessantes.