Uni, duni, tê, salamê, minguê...

Uni, duni, tê, salamê, minguê...
Materiais a partir de textos da tradição oral

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Arquivo Poético

Arquivo Poético Sérgio Capparelli
Novidades!
Vou mostrar para vocês um tiquinho de um novo projeto que estou desenvolvendo, que são os Arquivos Poéticos. Os arquivos são kits de poemas organizados como um fichário, no qual são apresentados poemas e algumas atividades e materiais a partir deles. Consta também no arquivo informações sobre o(s) autor(es) ou o(s) livro(s) , um sumário dos poemas do arquivo, dentre outras coisas. Os Arquivos Poéticos estão para a poesia como as Caixinhas de Livro, que vocês já conhecem, estão para as narrativas.

O que vou mostrar hoje são os materiais que previ como sugestão para o poema Amanhã, de Sérgio Capparelli, que faz parte do Arquivo Poético Capparelli. Estou desenvolvendo esse arquivo, pois gosto muito desse autor. Já há, no arquivo, cerca de dez poemas dele, com atividades e materiais. E vai crescendo...

Mas há também outros arquivos sendo desenvolvidos, além desse, a exemplo do Arquivo Médico Poético, o Arquivo Alfabético Poético, dentre outros. Surpresa!!! Em breve darei notícia deles.

Bom, o poema de Capparelli em questão, Amanhã, diz assim:


Amanhã


O gato queria
Agarrar a lua,
Pensando que fosse
Um novelo de lã.

Mas a lua
Nem ligava,
Tricotando
A manhã.

O rato queria
Agarrar a lua,
Pensando que fosse
De queijo parmesão.

Mas a lua
Nem ligava,
Derramando-se
Pelo chão.

Mas a lua
Nem sabia,
Pois bebia
Em um poço.

O urso queria
Agarrar a lua,
Pensando que fosse
Colmeia com mel.

Mas a lua
Nem sabia,
Cochilando
Pelo céu.

Eu queria
Agarrar a lua,
Pensando que fosse
De diamante.

Ela disse:
Sou apenas
Uma lua
Minguante! 

A leitura do poema para as crianças pode em si ser bem divertida, pode ser, pela própria entonação solicitando que pensem nas rimas que vão aparecer, por exemplo. Assim, ao ler "O cachorro queria/Agarrar a lua,/Pensando que fosse/Um pedaço de.... (paradinha para que tentem responder)... osso". Outras rimas podem ir aparecendo...

Desse poema, fiz algumas coisinhas pro Arquivo. Outras poderiam também ser propostas, como poema lacunado ou poema enigmático, mas, considerando que essas sugestões aparecem nas propostas de outros poemas do arquivo, essas aqui me pareceram mais bacanas por ora. Especialmente por causa do tipo e da quantidade de rimas do poema. 
Vamos às propostas!

De início, achei que a estrutura das estrofes e versos era propícia a um fatiado da estrofe em duas partes de dois versos cada, para que possam ser ordenadas considerando, dentre outros aspectos, as repetições e paralelismos nas estrofes, os elementos que vão sendo substituídos e as palavras que rimam. Esses elementos permitem que mesmo as crianças que não leem com autonomia possam, a partir desses indícios e do conhecimento do poema, ordenar suas partes. Podemos dar o poema fatiado também com uma lista do substantivos que aparecem no texto: gato, rato, cachorro, urso, eu, para ajudá-los a colocar as estrofes na ordem. Para ordenar, é preciso conhecer o poema, ouvi-lo outras vezes enquanto monta ou sabê-lo de memória. Para os que já leem com certa autonomia, podemos dar o poema sem que o saibam de antemão e comparar depois com a versão original discutindo sobre os elementos que ajudaram a ordená-lo.

As rimas do poema, por sua vez, me sugeriram fazer alguns jogos: um jogo de trilha de rimas, um jogo de dados e um mini Bingo, todos esses jogos fonológicos sem presença da escrita, apenas para trabalhar a sonoridade das rimas. Todos eles são bons para crianças ainda sem muito domínio da leitura e escrita. Essa exploração das rimas pode, no entanto, depois, para os que têm já um domínio maior, facilitar atividades de leitura e escrita com a observação da terminação parecida de diversas palavras escritas que terminam, oralmente, de forma também parecida. 

O Jogo de Trilha de Rimas ficou assim, com figuras representando palavras do texto:


Cada jogador joga o dado (dado normal) e anda com o seu pino o número de casas indicado. Onde parar, deve dizer uma palavra que rime com o nome da figura representada na casa. Se conseguir, joga na rodada seguinte, se não, fica uma vez sem jogar. Mas uns podem ajudar os outros a dizer a sua rima, não há problema. As casas com a lua (protagonista da história, mas que não é rimada no poema) indicam ficar uma vez sem jogar ou, ainda melhor (para o jogo demorar mais um pouco), indicam na rodada seguinte andar para trás o número que tirar no dado. As rimas que devem ser ditas não são apenas as do poema, mas todas que vierem à cabeça dos jogadores, assim a exploração das sonoridades pode ser enriquecida. Ganha quem chegar primeiro ao fim da trilha. Como é uma trilha curta, pode também jogar com dois dados e subtrair o menor valor do maior (ex. se tirar 6 e 4, anda apenas 2 casas), incluindo um pouquinho de contas no jogo.

O Jogo do Dado de Rimas, por sua vez, embora explore também as rimas, tem um princípio diferente, pois as possibilidades de rimas são dadas. Cartas com figuras que representam palavras que rimam com as figuras do dado são distribuídas entre os jogadores, depois de embaralhadas. São palavras do poema e outras, que rimam com elas, mas que não aparecem no texto (Ex. Gigante, elefante, que rimam com minguante e diamante, palavras do poema).

O dado contém figuras que representam uma das palavras do par rimado do poema (Ex. osso e não poço, lã e não manhã...) e uma face com a lua, que indica ficar uma vez sem jogar. Os jogadores, cada um na sua vez, jogam o dado e verificam se têm, entre suas cartas (que podem estar viradas para cima, diante de si) uma que rime com a da face do dado jogado. Se tiverem uma carta que rime, guardam para si, separada das outras. Vence quem terminar primeiro suas cartas da mesa. Pode também deixar as cartas no centro da mesa e quem for jogar, na sua vez, vai procurando se há cartas que rimam com a figura que tira na face do dado.

Com as cartas do Jogo do Dado de Rimas podemos também propor o Jogo do Intruso, que consiste em apresentar algumas cartas com figuras representando palavras rimadas e uma que não rima (Ex: figuras do gigante, do elefante, do diamante, da lua minguante e de um pescoço), para as crianças indicarem o intruso. É interessante que, se não explicarmos nada, elas tendem a tentar encontrar elementos semânticos como critério para excluir alguma das figuras. Aos poucos, levando-as a perceberem que o critério é sonoro, vão aprendendo a prestar atenção não apenas aos significados das palavras (representadas aí por figuras), mas a seus significantes sonoros (ou gráficos, no caso das palavras escritas). E isso é fundamental para a alfabetização!


Bom, o Mini Bingo é um bingo fonológico "rapidinho", que contém apenas duas casas na cartela e apenas cinco indicações. É bom para os que estão iniciando nessa possibilidade de percepção de sonoridades e que se prendem ainda ao significado das palavras e não o seu significante (e associam, assim, as palavras ditas a algum atributo semântico dos objetos de sua cartela e não atributos sonoros). É um mini jogo que prepara os bingos fonológicos mais elaborados, mas pode também dar mais de uma cartela para cada jogador. Ei-lo:

Também podemos fazer um jogo de cartas, um mini Baralho, para associar figura-figura rimadas (jogo fonológico), figura-palavra a que corresponde (reconhecimento de palavra), palavra-palavra rimadas (observando as semelhanças e diferenças entre elas) ou para jogar como Mico Preto ou Memória, formando esses pares ou até os quartetos. Para jogar como Mico Preto, incluí uma carta da lua, que não rima com outra carta e faz as vezes de Mico. 

Um outro jogo que fiz com esse poema foi o Jogo das Duas Palavras,  adaptado de um jogo criado por alunas ligadas ao CEEL, da Universidade Federal de Pernambuco. É um jogo de reconhecimento de palavras  entre duas palavras dadas (as que rimam) para corresponder a cada figura. Diante da carta de palavras que abrem no jogo, os jogadores devem dizer qual das duas palavras corresponde à carta de figura que têm em mãos. O do CEEL é confeccionado a partir das rimas do poema de Vinicius, O Pato, da Arca de Noé, musicado por Toquinho, e pode ser conferido no livro que se encontra no site do CEEL: http://www.ceelufpe.com.br/e-books/Alfabetizacao_Livro.pdf , no capítulo sobre jogos.
É isso, gente. Essas são as sugestões que pensei para explorar o poema Amanhã, sempre lembrando que isso tudo só vale depois de explorar bem o texto, fruir simplesmente de suas sonoridades e sentidos, brincar com ele. A exploração das rimas, no caso desses jogos aqui propostos, permitem ampliar a fruição do poema, se apropriar mais dele, lembrar por mais tempo dele e do prazer que proporcionou sua leitura - suas tantas leituras. Relê-lo depois de brincar  certamente dará outra graça às rimas, a esse jogo de sonoridades e sentidos. 

Minha ideia de material a partir da literatura é que ele seja para ampliar a leitura - no caso aqui, leitura dos poemas - não para empobrecê-la, despi-la de sua natureza artística, estética, literária. Sim, defendo um trabalho pedagógico com a literatura não apenas de letramento literário, mas também de reflexão sobre o sistema de escrita alfabética, mas defendo igualmente que essa apropriação pedagógica da poesia, como da literatura em geral, não deve se dar ao preço de empobrecer sua natureza estética. Como nos ensina Magda Soares (1999), é preciso pensarmos em uma escolarização adequada da literatura, na qual se estabeleça um diálogo entre o discurso pedagógico e o discurso literário. Acredito estar experimentando, com esses materiais, formas de fazê-lo. Na alfabetização, a literatura é fonte de deleite estético, de letramento literário, mas também matéria de reflexão sobre a linguagem, a língua, a língua escrita. A questão é como fazer isso.

Assim, dito isto tudo, vale, então, voltar ao poema sempre, reler, brincar mais uma vez; adivinhar, ao ler, as rimas que, depois de tanto explorar já ficam conhecidas; reler de outros jeitos, conhecê-lo por dentro, fazê-lo durar na memória. É o que eu espero, para que se configurem de fato como materiais que favorecem a alfabetização em contexto de letramento literário. Conhecer as propriedades formais de poemas - que são isso, formas, articulação de sons e sentidos - é ampliar a leitura dos poemas, sua fruição estética. Fazer isso brincando, ainda melhor!

Outra coisinha que eu queria lembrar é que, embora a rima seja um aspecto importante da poesia, muito frequentemente associado ao próprio conceito de poema (embora haja poemas sem rimas!!!), as sonoridades que podem estar em jogo na poesia são muito mais ricas, não se reduzindo a rimas, muito menos a rimas apenas no final de versos. Muitos jeitos de rimar são possíveis, rimas toantes e rimas "dançantes", rimas no final ou pelo meio dos versos, rimas em versos alternados, rimas mais próximas, rimas mais distantes... E ainda temos aliterações, assonâncias, paralelismos, repetições, trocadilhos, dentre muitos outros aspectos fazem a festa do ritmo, sons, sentidos... e explorá-los faz bem à poesia e também à alfabetização, faz bem ao leitor de poemas que aponta e à reflexão fonológica, faz bem à apropriação da escrita por este que se inicia na leitura e escrita autônomas. E se fizermos bem, tudo ao mesmo tempo! Falaremos mais sobre isso em outras oportunidades, tá? 

Aguardem mais sugestões de atividades e materiais do Arquivo Capparelli. Há vários outros poemas, que trazem consigo outros materiais: Longe de Casa, A Chuva está Chorando, A Semana Inteira, A Árvore que dava Sorvete, De Volta, Sons, Cores, Esquisitices, As Sardas de Dora, Minha Cama, dentre outros, compõem o Arquivo, com vários joguinhos e propostas diferentes. 

Ah, e leiam Capparelli, é maravilhoso! Sugiro, em especial, o livro "111 poemas para crianças", da LP&M, com uma seleção do próprio autor de diversos livros seus. Uma delícia!

Inté,
Lica

SOARES, Magda. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: MARTINS, A.A.; BRANDÃO, H.M.B.; MACHADO, M.Z.V. (orgs.). A escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

14 comentários:

  1. Lica (voz bem séria e enfática),
    Quando é que você vai abrir a oficina de alfabetização e literatura, minha filha???!!! Queremos essas novidades!!!
    Beijos,
    Sua eterna aluna fã,
    Leila

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Leiloca,
    Eu quero muito. Estou confeccionando esses novos materiais para essa oficina de Literatura, mostrando alguns... Quando o acervo estiver com um bom tamanho e eu acertar algumas questões mais práticas, vou providenciar.
    Espero que ainda esse ano.
    Beijocas,
    Lica
    Beijos,
    Lica

    ResponderExcluir
  3. Que fantástico Lica!!!
    Quantas coisas maravilhosas podemos criar em cima de um pequeno texto!! Quanta preciosidade.
    Agora te pergunto!! Quantas horas tem o seu dia????
    Fico tão angustiada Lica, não consigo me organizar, saõ tantas tarefas....
    Mas um dia chego lá.
    Sabe que você é a muinha inspiração pedagógica né?!?!
    Parabéns mais uma vez por seu lindíssimo e impecável trabalho

    Renata Garcia/ BSB

    ResponderExcluir
  4. Oi, Renata...
    Pois é... Meu dia é como o de todo mundo. Quem me dera ter mais horas no meu dia!!!!
    Mas quando eu mergulho, eu mergulho. Agora que encasquetei com os Arquivos Poéticos, parei tudo o mais. Fazia tempo que eu queria fazê-los.
    Como estou com algum tempo "livre" para o doutorado, termino deixando de escrever para cortar, colar, inventar... Mas depois mergulho no texto da Tese de novo... Vou assim, alternando os interesses... e os compromissos menos interessantes do dia a dia. É a vida, né?
    Bom saber que te inspiro no seu caminho pela educação. Vale muito para mim saber.
    Muito obrigada, querida!
    Renata, escreva pra mim no email:
    oficinasdealfabetizacao@hotmail.com
    Vou aguardar, tá?
    Beijos,
    Lica

    ResponderExcluir
  5. Oi, Lica,
    Que legal! Ler e brincar com o texto de poesia já é legal. Brincar mais com suas rimas, nesses joguinhos aí, gostei. Quantas possibilidades!
    E gostei do seu "durar na poesia".
    Beijos,
    Taíse
    P.S. Que dado tão bem feito, heim?

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Taíse.
    Fico contente que vocês acolham o "como" eu pensei em desdobrar o trabalho com os poemas, que vocês "peguem" o "espírito da coisa"...

    Ah, o dado... dá um trabalhinho, mas fica legal, né? Só que para as crianças jogarem é melhor dodos mais duros, de madeira, de EVA, sei lá! De papel, mesmo durinho e mesmo colocando bola de papel amassado dentro, é sempre meio frágil e tem uma vida útil pequena. Mas bonito é!

    Beijo, querida,
    Lica

    ResponderExcluir
  7. "Dados", né, gente? Não "dodos" como escrevi. rsrsrs!!!
    Lica

    ResponderExcluir
  8. Lica,
    Você disse que no seu arquivo poético há 10 poesias de Capparelli. São todos de um mesmo livro ou a ideia aqui é variar buscando em livros diferentes?
    Vi a caixa do Arquivo nos slides lá embaixo e achei bem bacana! Está muito linda e as cartelas de poesias também!
    Bjs,
    Ana

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana,
    Tudo bem?
    São poemas originalmente de livros diversos, mas a maioria deles - não todos - tem no livro chamado "111 poemas para crianças", que é uma compilação de vários poemas dele. Eu adoro esse.
    Por vezes um arquivo poético pode ter como critério um livro, no caso do Arquivo Capparelli, o critério é o autor.
    A ideia é que o arquivo possa crescer, acolhendo outros poemas dele. Por enquanto tem esses aí, depois, quem sabe...

    É, a caixinha ficou bem bonitinha, mas não cabe tudo nela, tem uma pasta-fichário que a acompanha, com os poemas e as propostas textuais. A caixa é para os joguinhos. Tudo identificado, para saber a que poema correspondem.
    Aguarde em breve novos arquivos poéticos!
    Beijos,
    Lica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba!!! Tem tantos autores legais!!! Acho que vou eleger um pra mim também!!!
      Bjs,
      Ana

      Excluir
  10. Isso, Ana!
    Faça com autores que você gosta, que acha legal para trabalhar com os alunos.
    É bem verdade que uns podem dar bons materiais, mais que outros, mas sempre podem compor o arquivo de algum modo.
    Pode ser um Arquivo Poético mix também, vários poemas de vários autores. O critério: seu gosto, seu repertório...
    Bjs,
    Lica

    ResponderExcluir
  11. EXCELENTE PROPOSTA....VOU APLICAR COM MEUS ALUNOS DE 3º ANO...
    OBRIGADA
    PROFESSORA SHEILA

    ResponderExcluir
  12. Obrigada, Sheila,
    Apareça!
    Há muitas propostas no acervo que podem se adaptar a alunos maiores, e sempre há aqueles que precisam continuar seu processo de alfabetização para além do primeiro ano, não é?
    Um abraço,
    Lica

    ResponderExcluir
  13. Gente, fiquei tão feliz de recentemente jogar esses joguinhos todos com o meu filhote. Ele adorou tudo! E é um ótimo testador de jogos! Vou com ele descobrindo aprimoramentos, variantes de jogo, o que dá e o que não dá muito certo. Muito legal!
    Quis registrar essa novidade de mãe de menino de alfabetização! rsrsrsrs,
    Lica

    ResponderExcluir